Tryte
Coleção Judaísmo
O Que é a Bíblia - 1ª parte
O TEXTO DO VELHO TESTAMENTO

A. MENES

A compilação das Escrituras Sagradas, o denominado canon, foi concluído durante o século 2 A.C. Uma vez que a parte mais velha da Bíblia provém dos séculos 11-12 A.C. mais ou menos, tinha, portanto, que percorrer, até a sua redação final, um longo caminho, e pode-se provar que esse longo caminho deixou rastros bem marcados sobre seu aspecto exterior. Ainda hoje em dia podem-se notar os indícios de revisores e redatores, que deturparam ou intencionalmente "melhoraram" os livros antigos. À primeira vista pode até parecer que o texto do Tanach fosse rigorosamente preservado na sua feição original. Os escribas e os portadores da tradição, como é notório, cuidavam das Escrituras Sagradas com o maior zêlo, enumerando não só cada palavra, senão cada letra. Toda variante, por menor que fosse, fôra especialmente anotada (Queri uchtib). Nós sabemos com que cautela se escreviam entre os judeus os Rolos da Lei; o menor erro bastava para invalidar um Rolo. Todavia seria o maior erro julgar que a Bíblia hodierna represente realmente o texto autêntico dos livros bíblicos. Possuímos provas suficientes para nos forçar a admitir que na antiguidade nutria-se menos respeito pelos textos dos livros bíblicos, e foi por esse motivo que se introduziram não só muitos erros na transcrição, como também alterações bem importantes no próprio texto. As traduções mais antigas da Bíblia, como a Septuaginta grega, a Peshita síria e outras, diferem em muitos pontos bastante do tradicional texto hebraico. No Talmud também encontramos várias alusões a textos bíblicos modificados. Ainda mais convincentes são as variantes que se citam nos textos bíblicos por duas vezes.

Assim, por exemplo, encontramos o relato acerca do sítio de Jerusalém por Senaquerib, uma vez em Isaías e outra em Reis; os dez mandamentos acham-se em Êxodo e em Deuteronômio; a relação dos repatriados da Babilônia cita-se em Ezdras e em Nehemias; nos Salmos há cânticos que se repetem, etc...

Uma comparação exata entre esses "dubletes" mostra-nos quão grandes são as alterações, introduzidas muitas vezes nos textos bíblicos, pelos copiadores e redatores. Particularmente instrutivo neste ponto é o texto dos dez mandamentos, que já nos tempos remotos era considerado o mais valioso documento das Escrituras Sagradas, motivo por que se podia esperar que justamente esse texto fosse cuidado com especial escrúpulo. Que assim não aconteceu, prova o cotejo de Êxodo 20 com Deuteronômio 5.

Transcrevemos, [na pág. 70-71], apenas aquela parte dos dez mandamentos, onde se acham maiores alterações.

Afora algumas diferenças de somenos importância, como seja a falta da conjunção "e", chamam especial atenção, nos aludidos textos, as diversas motivações para os mandamentos de sábado e de honrar pai e mãe.

Aos exegetas antigos já se deparou que o mandamento de sábado inicia-se, em Êxodo, com Lembra-te, e em Deuteronômio, com Guarda. Uma lenda antiga explica que "lembra-te" e "guarda" foram pronunciadas simultaneamente.

O mais importante é que o motivo do mandamento de sábado em Êxodo, é puramente teológico: "Deus fêz o mundo em seis dias e no sétimo descansou"; já em Deuteronômio a motivação é ético-social: É preciso repousar no sábado, para que, o servo, o salariado e o animal do trabalho possam descansar.


ÊXODO 20

    Lembra-te o dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem a tua besta nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há e ao sétimo dia descansou: portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou.

    Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.

    Não matarás.

    Não adulterarás.

    Não furtarás.

    Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.

    Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do seu próximo.

DEUTERONÔMIO 5

    Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o Senhor teu Deus. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dias é sábado do Senhor teu Deus: não farás nenhuma obra nele, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas para que o teu servo e a tua serva descansem como tu: porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que o Senhor teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido: pelo que o Senhor teu Deus te ordenou que guardasse o dia de sábado.

    Honra a teu pai e a tua mãe, como o Senhor teu Deus te ordenou, para que se prolonguem os teus dias e para que te vá bem na terra que te dá o Senhor teu Deus.

    Não matarás.

    E não adulterarás.

    Não furtarás.

    E não dirás falso testemunho contra o teu próximo.

    E não cobiçarás a mulher do teu próximo e não desejarás a casa do teu próximo, nem o seu campo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.


Diferente que em Êxodo, são também formulados em Deuteronômio os últimos dois mandamentos.

Em regra, não há textos paralelos na Bíblia, que não apresentem variações mais ou menos importantes. O Salmo 14, por exemplo, é no fundo bem idêntico ao Salmo 53; uma comparação, porém, dos dois capítulos mostra quais os erros que foram, com o correr do tempo, introduzidos pelas gerações de copiadores.


SALMO 14

    Disse o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem... Desviaram-se todos... os quais comem o meu povo como se comessem pão e não invocam ao Senhor. Ali se acharam em grande pavor, porque Deus está na geração dos justos. Vós envergonhais o conselho dos pobres, porquanto o Senhor é seu refúgio.

SALMO 53

    Disse o néscio: Não há Deus. Têm-se corrompido e cometido abonivável iniqüidade, não há ninguém que faça o bem... Desviaram-se todos... os quais comem o meu povo como se comessem pão, eles não invocaram a Deus. Ali se acharam em grande temor, onde não havia temos pois Deus espalhou os ossos daquele que te cercava; tu os confundiste, porque Deus os rejeitou.


O texto do último versículo está sem dúvida deturpado em ambas as passagens, e hoje em dia é difícil até dizer-se qual delas mais se aproxima do texto primitivo. Por outro lado, pode-se afirmar com toda a certeza que o salmo 71,3: "Sê tu a minha habitação forte, à qual possa recorrer continuamente, desde um mandamento que me salva", é uma deturpação do salmo 31,2: "Sê a minha forte rocha, uma casa fortíssima que me salve".

Os exemplos citados demonstram que o texto atual da Bíblia percorreu longo caminho histórico, e que se exige um trabalho assíduo para se ter uma visão da trilha que conduz desde o surgimento da literatura bíblica até a redação final das Escrituras Sagradas.

Para corrigirmos as passagens erradas, são-nos de grande utilidade as traduções antigas, primordialmente a Septuaginta. Deve-se, entretanto, constatar que bem freqüentemente são baldados todos os esforços dos pesquisadores, e que muitos trechos são de tal maneira mutilados que hoje nos é absolutamente impossível descobrir o seu sentido original.

Anterior   Topo da página Próxima

  Marcelo Ghelman