Tryte
Coleção Judaísmo
O Que é um Judeu
O SIGNIFICADO DE PéSSACH

MORRIS KERTZER

Páscoa, ou Péssach, conforme se chama em hebraico, é a principal festa doméstica na vida judaica. É a Festa da Liberdade, comemorativa da libertação de Israel da servidão egípcia.

Os rituais da Páscoa são, em grande parte, cerimônias do lar. Na véspera de se iniciar a comemoração, a casa é examinada dos alicerces até o sótão à procura de algum sinal de pão lêvedo ou de qualquer alimento que contenha fermento, e todos os traços de fermento são removidos. Por uma semana, matzot (pão ázimo), e panquecas e pudins feitos de ingredientes não-levedados, substituem no cardápio todas as formas de pão.

O ponto culminante da celebração da Páscoa consiste em servir-se o Seder, um banquete de família realizado na primeira e na segunda noites pascoais, com ritual complicado. A mesa é decorada com frutas e flores, a melhor louça, candelabros e outros indícios de festa. Para os quatro goles de vinho - símbolo da alegria - coloca-se uma taça ao lado de cada lugar.

A cerimônia consiste essencialmente em contar a história do Êxodo, utilizando vários símbolos para ilustrá-la e dramatizá-la. A criança mais nova sentada à mesa faz quatro perguntas ao pai(*). A história que o pai relata, lendo um livro chamado Hagadá, é a narrativa familiar da escravidão no Egito, a obstinada recusa do faraó em deixar os israelitas partirem, a corajosa chefia de Moisés e o milagre da redenção.

(*) Veja "Má Nishtaná" na nota nº 10, no fim do livro.

Cada um dos diversos componentes da refeição contém uma lição: o ovo cozido é símbolo da existência, a otimista afirmação de Israel da santidade da vida. É mergulhado em água salgada para se manifestar solidariedade com o destino amargo dos antepassados. Certa mistura de nozes e maçãs recorda à família a argamassa usada pelos hebreus escravos na construção de cidades para seus cruéis faraós.

Impõe o costume que se convidem hóspedes para a mesa familiar. Além dos amigos, um estudante que esteja longe do lar, um soldado ou um viajante afastado dos seus, serão bem-vindos.

Comemora-se a festa com um ofício especial na sinagoga: da Torá, lê-se uma vez mais a narrativa do Êxodo, e entoam-se os Halel, salmos de louvor.

Compreende-se que ao moderno Estado de Israel a festa de Péssach seja especialmente cara. Centenas de milhares de seus cidadãos reviveram a escravidão egípcia em campos de concentração e em asilos de deslocados. A nova Terra da Promissão, no próprio solo da antiga, é uma realidade que empresta pungência e júbilo à celebração israelense da Festa da Libertação.

Anterior   Topo da página Próxima

  Marcelo Ghelman